Translation Profession

Profissão Tradutor – Por onde começar?

check-out-our-latest-e-course-1

Este é um tópico bastante amplo, sem uma receita ou ponto de partida específicos. No entanto, há alguns itens a serem considerados antes de tomar essa decisão.

Muitas pessoas pensam que basta ser bilíngue para saber traduzir. Isso é um grave erro, tanto de quem quer ser tradutor como de quem precisa contratar serviços de tradução.

A tradução envolve muito mais do que apenas traduzir. Logo, ser bilíngue não é suficiente. Aqueles que seguem a profissão considerando apenas o fato de serem bilíngues acabam entregando traduções ruins e são responsáveis por jogar os preços para baixo, uma vez que não possuem a experiência, formação e conhecimentos necessários para realizar um trabalho de qualidade. Já os que contratam tradutores amadores, acabam perdendo tempo e dinheiro, pois uma tradução malfeita precisa ser refeita, e isso gera atraso e custo adicional para o cliente.

Não é necessário ser formado em tradução, especificamente, mas eu defendo que é importantíssimo ter diploma universitário.

Além disso, é necessário gostar de ler (muito!) e escrever extremamente bem no seu idioma nativo. Digo idioma nativo pois, o correto, é traduzir da sua segunda língua para a sua língua nativa, ou seja, se você é brasileiro e aprendeu inglês, você deve trabalhar somente no par inglês para o português.

É claro que há exceção, e ela reside justamente no nível de fluência que o tradutor tem na segunda língua, pois uma tradução não pode soar como tradução. Ao escrever na segunda língua, o texto tem que ter o mesmo tom, linguajar, construção, regionalismos e culturalismos que um nativo usaria para escrever.

A maioria dos tradutores são competentes apenas para traduzir para a língua nativa. Já a versão, isto é, verter o texto da língua nativa para a língua estrangeira, é uma habilidade de poucos tradutores profissionais.

O bilinguismo do tradutor é, certamente, a principal habilidade necessária, mas não é a única.

Tradutores também precisam conhecer a terminologia de suas áreas de especialização, precisam ser proficientes nas tecnologias que a indústria usa e devem ser excelentes escritores em sua língua-alvo.

No que diz respeito as áreas de especialização, defendo ser imprescindível conhecer muito bem, e de preferência ter tido alguma prática ou estudo avançado, nas áreas que se vai traduzir, como a área jurídica, de engenharia, medicina, meio ambiente, etc.

Ser tradutor é como ser mãe, pois são várias profissões em uma.

Você pode ser um excelente tradutor, mas se você não souber como comercializar o seu serviço, lidar com clientes, cumprir prazos, controlar o seu faturamento e suas despesas, investir em educação continuada e manter-se atualizado, você sofrerá bastante para ter uma boa renda e uma imagem respeitável no mercado.

Eu sempre digo que, além do bilinguismo, há outros cinco aspectos a serem considerados. São eles:

  1. Visão de negócios

Quando se é um tradutor autônomo, é preciso entender que você também é responsável por vendas, marketing, suporte, atendimento ao cliente, contabilidade (junto com um contador), gestão de projeto, etc. A não ser que você queira, e possa, pagar outras pessoas para fazer tudo isso para você.

  1. Motivação

Trabalhar como tradutor pode ser, por vezes, um pouco solitário, então é preciso manter a motivação, para tudo: conseguir clientes, cumprir prazos, organizar o faturamento, etc. É importantíssimo ser capaz de fazer várias coisas ao mesmo tempo – o famoso “multitask” – pois você terá de lidar com vários clientes, prazos, arquivos e assuntos ao mesmo tempo.

  1. Pés no chão

É importante saber que o início pode ser lento. Leva tempo para construir uma boa base de clientes. Sendo assim, é muito comum as pessoas começarem aos poucos, mantendo o emprego “normal” durante o dia e fazendo traduções a noite e aos finais de semana, até que as coisas peguem ritmo e te ofereçam uma boa remuneração mensal, ao ponto de você se sentir confortável em abandonar o “day job”.

  1. Investimento

O investimento inicial é relativamente baixo, mas ele existe. Você precisa ter alguns bons dicionários especializados ou literatura básica de referência (para áreas especializadas), computador, acesso à internet, uma ferramenta CAT e um lugar confortável, com boa iluminação e, de preferência, com móveis ergonomicamente adequados para trabalhar. No entanto, vale lembrar que o investimento na fluência do idioma deve ser contínuo, ou seja, você deve sempre ler periódicos especializados, fazer cursos, intercâmbios, viagens, visitas técnicas, etc.

  1. Cliente

Inicialmente, a forma mais fácil de conseguir clientes é através da sua rede de amigos, pois todos trabalham para alguma empresa que, eventualmente, precisará de traduções. Se você fizer um bom trabalho, outros clientes surgirão a partir destes contatos e a sua rede crescerá exponencialmente.

A outra forma é contatar agências de tradução e participar de redes especializadas de tradutores.

Há quem prefira trabalhar somente com clientes diretos ou só com agências, mas isso é combustível para um próximo post.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s