Translation Profession

A father, a daughter, and translation: from a passion for languages to the importance of translators

My father and I have always shared three passions: culture, history, and foreign languages. We tried to share a fourth—law—but even though I went to law school, I ended up pursuing translation.
I remember how, when I was little, my father encouraged my language studies. I would spend hours in front of the mirror trying to imitate different accents and repeating phrases of my favorite actors speaking their native languages.
My love of languages certainly came from him, but my passion for overcoming cultural and linguistic barriers, which could separate communities (even further) were it not for translation, grew every time I helped someone to communicate with a stranger or translated texts for friends. I finally realized that this was my vocation, my calling.
When I decided to devote myself full-time to translation, my father was worried. There went five years of law school, two years of an internship with the São Paulo State Department of Justice, and three years of experience practicing law. Little did he know (or did I) that the law would still be a part of my life as a translator.
Over the years, my father learned from me and I continued to learn from him.
In this post, my father speaks of the interests we share, the translation course he took this year to better understand my profession, and how he views the significance of translation through history or, as the Australian group Dead Can Dance would say, “from ancient times to the present day.”
Enjoy!

Guest Series - The Translation Profession · Translation Profession

Meu pai, a tradução e eu: da paixão por idiomas à importância dos tradutores.

Meu pai e eu sempre compartilhamos três paixões: cultura, história e línguas estrangeiras. Tentamos compartilhar uma quarta – o Direito, mas mesmo tendo me formado na área, eu acabei seguindo pela tradução. Lembro-me, ainda pequena, de meu pai incentivando meus estudos linguísticos. Eu passava horas na frente do espelho tentando imitar sotaques e repetia as frases dos meus atores favoritos em seus idiomas nativos. O amor por línguas certamente vem dele, mas a paixão por transpor os obstáculos culturais e linguísticos que, sem a tradução, poderiam nos separar (ainda mais), veio de cada vez que eu ajudei alguém a se comunicar com um estrangeiro, traduzi textos para amigos e, finalmente, percebi que essa era a minha vocação, o meu chamado. Quando decidi me dedicar integralmente à tradução, meu pai ficou preocupado. Lá se foram cinco anos de Direito, dois anos como estagiária concursada do Ministério Público do Estado de São Paulo e três anos de experiência na prática jurídica. Mal sabia ele (e eu também), que o Direito continuaria presente na minha vida como tradutora. Ao longo dos anos, meu pai foi aprendendo comigo e eu continuei aprendendo com ele. Neste post, meu pai fala das paixões que compartilhamos, do curso de tradução que fez este ano para melhor compreender minha profissão e como ele vê a importância da tradução, como diriam os Titãs, “desde os primórdios até hoje em dia”. Enjoy!

Conferences · Na casa da vizinha

2017 MICATA Annual Conference

Check out my guest post to the ATA Portuguese Language Division about attending MICATA’s 2017 Annual Conference.

“A lot of work goes into putting a conference together, and, after attending MICATA’s conference, I will try to go to as many other regional conferences as possible. Of course, the ATA national conference is and always will be a must-go event, but regional events also provide you with growth, learning, and networking opportunities. It’s a big mistake to completely disregard them and not support your regional ATA chapter.”

Guest Series - The Translation Profession

Profissão Tradutor – Maria Thereza Stetner

Maria Thereza Stetner conta como começou na profissão quando, após ter se aposentado como professora de inglês da Cultura Inglesa e da rede estadual (SP) de ensino, foi aprovada no concurso público da JUCESP para Tradutor Público e Intérprete Comercial.
Maria Thereza foi intérprete no meu casamento civil, em 2009. Começou ali uma gostosa camaradagem profissional que dura até hoje. Mantivemos contato, indicamos clientes uma para a outra ao longo dos anos e ela ainda trabalhou comigo e com meu marido mais uma vez, em 2014, quando tivemos que traduzir uma montanha de documentos para o nosso retorno para os EUA. Leia este post e conheça um pouco mais da trajetória dela e veja o quanto ela tem a nos ensinar.

Business

LinkedIn para tradutores e outros profissionais de idiomas

Seu perfil no LinkedIn é sua vitrine para o mundo profissional. É importante que ele seja bem feito e que as informações estejam escritas e dispostas de forma clara e objetiva para que ele possa ser útil para você. Se o seu perfil estiver escrito de forma confusa ou não atender aos padrões do mercado, um potencial cliente (ou empregador) não entrará em contato com você.
No mercado de serviços de idiomas não é diferente. Leia este post e siga as oito dicas sugeridas para melhorar o seu perfil no LinkedIn.